Golfinhos, Baleias e Bôtos

NÃO MEXAS!

A manipulação deve ser realizada por pessoas experientes para não magoar o golfinho nem ser magoado.
No entanto, se for necessário mexer, para evitar que quer o animal se magoe ou te magoes tu, lembra-te que se trata de um animal selvagem e a presença de ruído e pessoas muito próximas pode torná-los agressivos. Podem também transmitir doenças aos humanos. A equipa de resgate pode fornecer-te informações detalhadas do que fazer.

NÃO DEVOLVAS O ANIMAL À ÁGUA!

Se um golfinho arrojou numa praia é porque tem algum problema! São raras as situações em que golfinhos arrojam sem terem problemas. O simples facto de arrojarem leva a que desenvolvam lesões devido a estarem fora de água, tal como hipertermia (aumento da temperatura corporal) e falência de órgãos internos devido à pressão sobre os mesmos.

OBSERVA E DESCREVE!

Verifica as características físicas do animal tal como o tamanho (o mais preciso possível), a forma da cabeça (verifica se tem bico longo ou curto), o padrão e coloração e a forma da barbatana. Esta informação irá ajudar a equipa de resgate a identificar a espécie e optimizar os meios necessários para o seu resgate.
O comprimento do animal é muito importante não só para ajudar na identificação da espécie mas também para, caso o animal tenha de ser transportado para um Centro de recuperação, existirem os meios de transporte adequados.

IDENTIFICA PROBLEMAS!

ESTADO GERAL DO ANIMAL – Tenta perceber o estado do animal; se está magro ou com boa condição física.

TIPO DE RESPIRAÇÃO – Tenta contar o número de respirações por minuto (um animal pequeno deverá ter entre 3-5 resp./min). A inspiração é imediatamente a seguir à expiração e o espiráculo apenas abre para respirar. Se isto não acontecer é porque existe algum problema respiratório grave.
FERIDAS VISÍVEIS – Descreve os ferimentos visíveis, fraturas, etc.;
INTERVENÇÕES FEITAS – Tenta perceber se alguém já fez alguma manipulação ao animal. Se sim, tenta identificar o que foi feito (manipulação, administração de medicações, etc.).

LOCALIZA!

Descreve o local exato do arrojamento e toma nota das direções para o local de modo a que a equipa saiba para onde se deslocar.

CONTACTA!

Contacta as autoridades competentes ou o Centro de recuperação de animais selvagens mais próximo. Fornece todas as informações recolhidas.
A equipa de resgate poderá indicar-te alguns procedimentos que poderás realizar enquanto não chegam ao local.

O QUE PODES FAZER ENQUANTO A EQUIPA DE RESGATE NÃO CHEGA!

Se o animal estiver dentro de água – Com o auxílio do menor número de pessoas possível, coloca o animal numa zona mais calma do mar, tendo o cuidado de manter o espiráculo fora de água. Podes ajudar a suportá-lo com o auxílio de uma toalha por baixo do corpo (a toalha deve ser colocada atrás das barbatanas peitorais).

Se estiver na praia – Coloca o animal na sua posição natural (zona ventral para baixo) com cuidado. É importante alisar a areia e cavar buracos para manter as barbatanas peitorais soltas.

Para evitar hipertermia (aumento da temperatura corporal) e queimaduras solares na pele (que é extremamente sensível) deves colocar toalhas molhadas sobre o seu corpo, com o cuidado de não tapar o espiráculo e os olhos. Fazer sombra e proteger do vento é também essencial.

Manter silêncio e pessoas e cães afastados!

Por estar fora do seu meio natural, o animal vai estar bastante stressado e fazer barulho e tocar-lhe pode piorar a situação ou pode mesmo provocar-lhe morte.

O QUE NUNCA DEVES FAZER!

Não puxar ou arrastar o animal pelas barbatanas – as barbatanas são bastante sensíveis e puxar ou arrastar o animal por aí pode provocar danos irreversíveis. O melhor é não manipular o animal se não houver pessoas suficientes para o manipular.

Não voltar a colocar o animal no mar – se uma baleia, golfinho ou bôto arroja numa praia ou nada com dificuldade perto da rebentação é porque está com algum problema grave. Voltar a colocá-lo no mar apenas adia um novo arrojamento ou pode mesmo provocar a morte do animal pois ele pode não ter forças para subir à superfície para respirar.

Não mexer mais do que estritamente necessário – Por estar fora do seu meio natural, o animal vai estar bastante stressado e, tocar-lhe ou fazer barulho pode piorar a situação. Deve-se manter um ambiente calmo e manipular apenas o estritamente necessário para manter o animal minimamente confortável. Lembra-te que manipular um animal destes é perigoso e o stress pode matá-lo!

Não manipular sem falar com a equipa de resgate – Se não sabes o que vais fazer, o melhor é não fazer nada. A equipa de resgate pode dar-te orientações sobre o que fazer perante a situação de arrojamento.

Não deitar água para o espiráculo ou submergir o animal – as baleias, golfinhos e botos são mamíferos e, por isso, respiram por pulmões. O seu nariz está modificado de modo a estar no topo da cabeça – o espiráculo. Se tapares ou cobrires com água o espiráculo, o animal não conseguirá respirar e sufocará.