Sobre nós

EM 2009 É CRIADA A PORTARIA 1112/2009 QUE ESTABELECE E REGULAMENTA A REDE NACIONAL DE CENTROS DE RECUPERAÇÃO PARA A FAUNA, DO QUAL O CRAM-Q FAZ PARTE, ATRAVÉS DO RECONHECIMENTO LEGAL DO CENTRO.

Centro de Reabilitação de Animais Marinhos de Quiaios (CRAM-Q) faz parte da Sociedade Portuguesa da Vida Selvagem (SPVS), sendo gerido em cooperação com o Dep. de Biologia da Universidade do Minho e o Dep. de Biologia da Universidade de Aveiro. A SPVS é uma ONG científica cujo principal objetivo é dinamizar e incentivar a investigação em vida selvagem. Desde a sua criação (e definido nos seus estatutos) uma das prioridades da SPVS foi a criação de um Centro de reabilitação de fauna selvagem.

Actualmente, este é um dos dois centros de animais marinhos existentes em Portugal, estando reconhecido pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I. P. (ICNF).

Diploma de reconhecimento pelo ICNF

Responsabilidade ética

Resgatamos animais marinhos por variadas razões, incluindo subnutrição, debilidade e doenças mas, cada vez mais, resgatamos animais vítimas dos crescentes impactos que o ser humano provoca no ambiente marinho. Estes impactos incluem capturas acidentais em artes de pesca, tais como emaranhamento em redes ou fios de pesca, ingestão de anzóis e colisão com embarcações. Muitos animais dão entrada no CRAM-Q também devido à ingestão do lixo existente no oceano e à prevalência de doenças resultante da carga de contaminantes que possuem. Deste modo, o seu resgate e reabilitação é uma obrigação de todos nós.

 

Reconhecer a interdependência

Reconhecemos a ligação fundamental entre o ser humano, os animais e os oceanos. Os oceanos cobrem mais de 70% do nosso planeta e, por isso, são um sistema de suporte vital para todas as formas de vida. Deste modo, os animais marinhos funcionam como indicadores do estado de saúde dos próprios oceanos. Reabilitar animais marinhos acaba por ser uma ferramenta de alerta de possíveis problemas que nos poderão afetar a nós Humanos!

Aumentar o saber

A reabilitação de fauna marinha pode aumentar o nosso conhecimento sobre as doenças e patologias presentes nas populações selvagens e este conhecimento pode também ser benéfico para os animais domésticos e até para o Homem. Não há dúvida de que se têm verificado ganhos extraordinários na investigação em medicina veterinária e em medicina da conservação à custa do aumento do conhecimento científico relacionado com a reabilitação e tratamento de animais marinhos arrojados, visto esta ser uma das formas mais simples de aceder a animais que normalmente são difíceis de manipular ou até de observar em estado selvagem.

A nossa equipa

O CRAM-Q possui uma equipa multidisciplinar, envolvendo médicos e enfermeiros veterinários, biólogos e tratadores. Adicionalmente, o CRAM-Q possui parcerias com especialistas internacionais na reabilitação de animais marinhos. O nosso trabalho conta também com a participação de voluntários e estagiários que passam temporadas no nosso Centro. A ajuda de voluntários e estagiários é uma parte vital do nosso trabalho desde o resgate, à reabilitação, devolução à natureza e educação.

A tua ajuda conta!

A tua ajuda é fundamental para o nosso trabalho. A legislação nacional protege os animais marinhos, mas nós dependemos do teu contributo para os ajudar. Começámos em 2006, com uma equipa pequena e uma área de ação restrita ao centro de Portugal. Apenas com o apoio de todos os que alertam para os arrojamentos e que nos apoiam financeiramente é que é possível continuar. Sabe como juntando-te a nós!